((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

domingo, 12 de setembro de 2010

A VISÃO DE DAVID - MÁRIO SÉRGIO

a visão de david



Oi Anthônio .... as canalizações estão realmente escasseando não é ? .... é hora de andarmos com as próprias pernas ... creio que um sinal muito claro desta realidade pode ser verificada junto aos crop circles ... já estamos em 11 de setembro e nem um crop apareceu ainda este mês.

Nesse ínterim, depois de todos os seus "desabafos" (rsrs) resolví compartilhar um pouquinho de minhas experiências, que talvez sejam de alguma utilidade para alimentar a fé de nossos irmãos de luta.

Fique totalmente a vontade para postá-las ou não, no sentido de que meu ego não vai se importar ... ele que ouse se manifestar, que eu desço o cacete nele.

Bem, hoje vou comentar sobre algo que teve como protagonista meu filho David, de 05 anos.

Foi mais ou menos em maio deste ano ... estávamos eu, minha mulher e meus dois filhos (David e Nicolas, este último com 02 anos) na praia da Barra, em um quiosque, pouco antes do por do sol. Estávamos "beliscando" alguma coisa no quiosque e o David pedindo para irmos para a areia, com aquela insistência a qual só as crianças sabem fazer (rs). Pouco depois de pisarmos na areia da praia, cerca de 10 m do calçadão, meu filho David, olhando para o mar, estancou. Não falava nada, paralisado, apenas olhando. Eu e minha mulher o chamávamos mas ele não respondia. Quando ele "voltou a sí", cerca de 01 minuto depois, começou a chorar, dizendo que não queria mais ficar alí. Nós dizíamos : "vem David, deixa de bobagem, está com medo da água ?" (mas já tinhamos nos olhado, trocando impreções bem significativas). Foi quando ele respondeu, chorando : "não quero, não quero .... o mar vai vir e vai matar muita gente ... muita gente". Minha esposa começou a chorar de imediato e eu abracei meu filho e voltamos para o calçadão. Ficamos algum tempo calados, "naquele" clima, com meu filho ainda choramingando. Pouco depois, ele se distraiu e voltou a sorrir e brincar, mas só no calçadão. Fomos diversas vezes à praia com ele depois disto ... ele sempre entra no mar, sem medo. Creio que foi apenas um entre os muitos avisos que estou certo, todos nós recebemos, para não perdermos o foco em realizarmos nossa mestria, trabalhando principalmente o desapego as "coisas" da fisicalidade.

Um abração e até a próxima.

Namastê.

do amigo Mário Sérgio Sahea

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails