((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

AS MORDAÇAS QUE ME IMPUTAM - CIRA MINHOZ

as mordaças que me imputa

Saber quando calar e quando falar é uma faceta de caráter talhado e polido.

Tenho duas opções na vida ( como sempre há escolhas) ou sigo o trio elétrico ao embalo da música tocada e vou no AUÊ, sem saber direito em que esquina a musica vai parar de tocar, ou numa atitude sóbria escolho a música que quero ouvir e seguir.

Me perdoem os Maria-vai-com-as-outras, mas a música que toca em meu coração tem nome e regente: chama-se atitude e caráter.

E o regente é minha alma, ainda rastejando no caminho evolucional, mas tão consciente do que devo fazer, que reage a qualquer semi tom ou desafino.

Calei muito tempo, por respeito ao outro, ao coração do outro, coisa de mãe que passa a mão na cabeça do filho.

Calei até o momento em que percebi que tenho voz e preciso usá-la, e vou usá-la.

Se eu calo diante da agressão não é por covardia, é apenas uma reação do não reagir, não confrontar.

Mas, do jeito que a coisa vai, tenho que ter postura e atitude, e se não os tiver, meu caráter talhado e polido em vivencias tantas de nada valerá.

Não quero dançar conforme a música atual. E meu posicionamento diante de fatos corriqueiros, atuais e assustadores é somente a certeza de que se estamos querendo expandir a própria consciência devemos deixá-la falar.

Não busco seguidores, pois não sou digna de ser seguida, nem a mim mesma poderei salvar diante dos vacilantes passos diante da grandeza do aprendizado que me espera.

Mas calar? Não mesmo! O que eu acho certo, eu acho certo, essa sou eu e se eu calar essa voz interna que me diz que fale e que seja exemplo, não de santidade e espiritualidade desenvolvida( que estou longe de ter), mas, de uma cristã que vê seu irmão ser pisoteado ali e acolá.

E esse meu falar não é um ato de revolta, apenas de consciência.

Houve tempo em que eu a tudo olhava e nada via. Quando descobri que posso ver, algo em mim fez a triagem do que é bom para mim e o que não é.

Não busco aplausos ou alguém que compartilhe de minhas opiniões, mas sei que muitos pensam como eu.

O meu intuito é fazer com que as pessoas consigam ver como eu vi e vejo. Uma absoluta confiança de que podemos mudar nosso mundo pessoal. Nem falo a nível planetário, falo do pessoal mesmo, do eu comigo, de melhorar, acordar, ver, sentir, absorver.

E, quando eu comecei a falar, mostraram-me uma mordaça ricamente ornada de luzes e cores, mas ainda assim era uma mordaça.

Eu nasci livre, meu espírito é livre e assim deve continuar. Temos em nossas vidas, períodos que se iniciam e se vão, que terminados, dão inicio a novos ciclos. Mudam as contingências, os problemas e soluções, mas percebemos que nossa essência continua a mesma.

Então mudam-se as atitudes diante daquilo que não esperamos, de difícil compreensão e lidamos com isso até assimilar e adaptar-nos.

E para isso, o tempo é nosso maior aliado. Mudando atitudes mudamos as facetas do problema a ser resolvido.

E sendo assim, se atuando de todas as formas e continuamos com a mesma essência isso nos mostra que temos algo em nós bem desenvolvido que se chama caráter.

A palavra caráter refere-se ao modo de ser próprio de cada pessoa, às características da sua personalidade.

E diante da atitude e caráter outros tópicos despontam para manter-me fiel a tudo que prezo:

Um deles é sacrifício ( não no sentido de sofrimento, mas no sentido de renúncia)

Tenho que abrir mão de alguma coisa ou de várias. Muitas vezes até de minha vida pessoal.

É preciso manter em mente meus objetivos com clareza e persistir neles.

Outro tópico que me faz permanecer coerente com a atitude e o caráter é a compreensão.( a compreensão de mim) entender por que eu faço o que faço. O que eu estou tentando atingir nesse caminho escolhido.

Com essa compreensão vem o outro tópico: o comprometimento. Isso é estar focada no objetivo como uma constante, sem contudo fazer desse objetivo algo que obstrua o crescimento do outro.

Dizem que o pior inimigo do excelente é o bom. Eu concordo. Faça o que eu fizer devo fazê-lo bem feito; não contentar-me com o aceitável é permanecer focado em minha atitude e caráter, é romper barreiras de aceitação do imposto a mim; mas como sempre a escolha é minha e de mais ninguém.

E escolhendo primar pelas minhas atitudes desde que sóbrias e honestas, sem atingir a ninguém me resta a satisfação, que não é estar sempre alegre, mas alegrar-me pelo fato de que estou fazendo a viagem esperada, pelo meio correto de fazê-la.

Se eu foco na alegria da viagem e paro quando necessário para olhar para dentro de mim, não me prendo somente ao desejo de chegar, mas de conhecer o caminho em que estou.

Pois é, se sinto dentro de meu ser o direito e desejo de ser correta com meus objetivos em relação a caráter e ter a compensação da cabeça deitada no travesseiro totalmente em paz, absorvo dos outros tópicos citados a alegria de

ser –vir.

Se nós humanos vivemos presos a grilhões por tantos séculos e descobrimos que temos a chave em nosso próprio coração, por que não nos libertarmos?

Por que devo aceitar o aceitável quando o leque de crescimento é tão vasto?

Isso eu falo por mim e não tento convencer ninguém de que eu esteja certa em querer a qualquer custo manter minha atitude, caráter e coerência.

Eu falo porque a voz existe. Eu sinto porque meu coração está aberto ao novo, ao verdadeiro; de falso todos estão saturados!

O que é falso e o que é verdadeiro? Somente cada coração pode sentir e analisar.

Quanto a mim cansei de falsos conceitos de religiosidade. E é por isso que falo e falarei, porque mordaças poderão calar meu físico, mas meu espírito... esse é livre... e voa... voa.

Cira Munhoz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails