((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

ANJOS DE LUZ NAS RUAS - MARTIUS DE OLIVEIRA

anjos de luz nas ruas - martius de oliveira

Olá Anthonio!


Eu escrevi um texto sobre a vida de Madre Teresa de Calcutá, baseado em uma
série de artigos biográficos que encontrei pela internet em português e
inglês. Modifiquei daqui e dali bastante e montei um texto novo para não ter
problemas de autoria e assim distribuir para o pessoal de rua amanhã. O
folheto se chama "Anjos de Luz nas Ruas" porque eu tava escutando a rádio
"Anjo de Luz" e não sabia que título colocar. Sabe, eles gostam muito de ler
os textos que entrego a eles e de repente achei que seria legal as pessoas
do seu blog lerem também. Quer dizer, eu não sei se você acha pertinente já
que o aniversário dela foi em 27 de agosto. Adorei ler e escrever sobre ela.
A gente aprende muita coisa bonita sobre ajudar ao próximo. Como eu escrevi
em word, eu decidi anexar o texto inteiro. Mais uma vez sinta-se totalmente
à vontade para editar, cortar, resumir, enfim, pois eu tive que espremer em
4 páginas para não gastar muita folha no trabalho!

Um abraço forte no seu coração!





Madre Teresa de Calcutá

02/09/2010 Ed.6
"O fruto da solidão é a prece. O fruto da prece é a fé. O fruto da fé é o amor. O fruto do amor é o serviço. O fruto do serviço é a paz.” (Madre Teresa)


Madre Teresa de Calcutá nasceu em 27 de agosto de 1910 na Macedônia. Aos 13 anos, ouviu um jesuíta que era missionário na Índia dizer: “Cada qual em sua vida deve seguir seu próprio caminho”. Tais palavras a impressionaram e ela ficou determinada a dar um sentido à sua vida, entregando-se no serviço ao próximo como missionária. Nesta idade, procurou o referido jesuíta para saber como fazer isso, ao que, o prudente homem respondeu que aguardasse a confirmação do tempo e da “voz de Deus”. Seis anos mais tarde, cada vez mais convicta de sua vocação, solicitou a admissão na “Congregação das Irmãs de Nossa Senhora do Loreto”. Aprendeu inglês na Irlanda e depois iniciou seu noviciado em Darjeeling, na ìndia, para só então, em 1931, lecionar em Calcutá.

Em setembro de 1946, ao presenciar durante uma viagem de trem, a mistura de homens, animais e crianças amontoados de forma desumana com o penetrante odor dos detritos e a sujeira à sua volta, Madre Teresa tentou buscar uma resposta nos seus princípios religiosos para explicar tamanha dor e abandono. Após rigorosa reflexão, Madre Teresa decidiu reformular a sua trajetória de vida. Passados dois anos e com muita insistência, o Papa Pio XII finalmente permitiu que ela fundasse uma nova congregação de caridade, cujo objetivo era ensinar as crianças pobres a ler. Quando viu fecharem-se as portas do convento às suas costas, experimentou um profundo sentimento de desorientação e angústia, sozinha nas ruas de Calcutá, sem casa, dinheiro, trabalho ou abrigo. Transferiu-se então para Patna onde passa os quatro meses seguintes fazendo um curso de enfermagem.

Finalmente, em 25 de dezembro de 1948, Madre Teresa retorna a Calcutá e começa oficialmente a sua nova missão a serviço dos mais pobres dentre os pobres. Sua primeira atividade como missionária foi visitar uma favela conhecida como Motijhil, para confraternizar-se no dia de Natal com as mulheres e crianças. Procurou um lugar para morar. Uma mulher alugou-lhe uma cabana muito humilde por cinco rúpias ao mês. Aquela foi a sua primeira casa. Na manhã seguinte, já se ouvia a voz de Madre Teresa ensinando a cinco crianças as primeiras letras do alfabeto bengali. No quarto não havia móveis nem quadro negro. Com um pedaço de graveto, Madre Teresa escrevia as letras no chão de terra.

E assim tudo começou. Com a ajuda de muitas de suas ex-alunas na congregação onde lecionava geografia, Madre Teresa passou a recolher moradores de rua, doentes e crianças abandonadas e a recuperar drogados, alcoólatras e ex-presidiários. Ganhou notoriedade mundial por seu trabalho, que começou sem apoio financeiro e que contava apenas com ela e outras missionárias indianas que foram se voluntariando. Em 1950, foi fundada a “Ordem das Missionárias da Caridade”. Elas assumiam quatro votos: pobreza, caridade, obediência e o principal deles, compaixão. Como hábito, escolheu-se o sári (traje típico indiano), nas cores — justificou ela — "branco, por significar pureza e azul, por ser a cor da Virgem Maria ". Como princípios, adotou o abandono de todos os bens materiais. Os bens de cada irmã resumiam-se a um prato esmaltado, um pequeno jogo de roupas, um par de sandálias, um pedaço de sabão, uma almofada e um colchão, um par de lençóis, e um balde metálico com o respectivo número. Em 1952 Madre Teresa funda a sua primeira grande obra social em Nirmal Hriday a "Casa dos Moribundos". Houve momentos que ela pensou em desistir devido às perseguições e críticas, pois muitos não compreendiam a nobreza de seu espírito. Certa feita em uma de suas meditações escreveu:

"Meu Deus, por livre escolha e por Teu amor, desejo permanecer aqui e fazer o que a Tua vontade exige de mim. Não! Não voltarei atrás... A minha comunidade são os pobres. A tua segurança é a minha. A tua saúde é a minha. A minha casa é a casa dos pobres. Não apenas dos pobres, mas dos mais pobres entre os pobres. Daqueles de quem as pessoas já não querem se aproximar. Daqueles que não vão rezar nos templos, porque não podem sair desnudos de casa. Daqueles que já não comem porque não têm forças para comer. Daqueles que se deixam cair pelas ruas, conscientes de que irão morrer e ao lado dos quais os vivos passam, sem lhes dar atenção. Daqueles que já não choram, porque já se lhes esgotaram as lágrimas. Dos intocáveis."

Há inúmeras histórias inusitadas e inspiradoras vividas por Madre Teresa. Conta-se que um dia Madre Teresa, encontrou um bebê morimbundo no lixo. Aplicou-lhe respiração boca-à-boca. Disseram-lhe que a criança estava morta. Porém ela não desistiu e quando o bebê deu sinal de vida, ela o apertou contra o peito e gritou: "está vivo!" E o levou para casa. Contagiou a muitos com o seu imenso amor. Um casal a procurou e lhe entregou uma grande quantia em dinheiro. Disseram-lhe que haviam se casado há dois dias. Resolveram não usar trajes de núpcias nem realizar celebração e trouxeram-lhe o dinheiro que seria gasto com o casamento. “Nós a amamos muito e pensamos que seria lindo compartilhar o nosso amor com os pobres que a senhora serve”, explicaram.

Houve um período em Calcutá que havia escassez de açúcar e espalhou-se pela cidade rumores de que Madre Teresa não tinha açúcar para os seus orfãos. Certa noite chegou um casal com o seu filho de seis anos que trazia nas mãos um pequeno recipiente. Por uma semana ele havia se recusado a comer açúcar para poder dá-lo aos menos afortunados que ele. Um senhor chegou com seu filho pequeno. Disse-lhe que o menino gostava tanto dela que resolveu guardar a mesada para dar de presente aos pobres. Ele ficara tão sensibilizado com a atitude de seu próprio filho, que decidira deixar de fumar e beber durante um mês para doar-lhe o dinheiro que de outro modo teria gasto. Alguns budistas japoneses souberam que a congregação de Madre Teresa jejuava toda primeira sexta feira do mês para destinar aquela economia aos pobres. Imitando o seu gesto, tiveram a atitude de enviar a ela o resultado da sua arrecadação. Com esta importância em dinheiro foi construído o primeiro andar da casa que tinha por objetivo abrigar meninas e mulheres libertas do cárcere. Há ainda inúmero relatos comoventes, alguns da própria Madre Teresa:

“Uma tardinha nós saímos e acolhemos quatro pessoas das ruas. Uma delas estava em condição desesperadora. Eu disse às irmãs “Vocês tomam conta das outras. Eu tomarei conta desta pessoalmente”. Eu fiz tudo o que o meu amor por ela pudesse fazer. Eu a acomodei na cama e então vi um lindo sorriso iluminar seu rosto. Ela apertou as minhas mãos firmemente e só conseguiu dizer duas palavras: “Muito obrigada” e então ela fechou os seus olhos para esse mundo. Eu não pude deixar de me perguntar, ao lado de seu corpo já sem vida, o que teria eu dito se estivesse no lugar dela. A minha resposta seria bem simples. Eu diria que estava com fome, que eu estava morrendo, que eu estava com frio. Ou ainda teria dito que esta ou aquela parte do corpo estaria me doendo ou algo assim. Mas ela me deu um presente muito maior – ela me deu a gratidão do seu amor e morreu com um sorriso em seu rosto.”

“Uma vez eu recolhi uma senhora de um depósito de llixo que estava ardendo em febre. Ela já estava em seus últimos dias de vida e sua única lamentação era: “Meu filho fez isso comigo”. Eu lhe pedi que perdoasse o seu filho pois em um momento de loucura ele fez algo do qual um dia se arrependeria. Pedi-lhe “Seja uma mãe para seu filho. Perdoe-o”. Levou-me um bom tempo para fazê-la dizer com sinceridade “Eu perdôo o meu filho”. Dias depois, ela morria em meus braços e foi capaz de verdadeiramente perdoar o seu filho. Ela não mais se importava com o seu sofrimento.”


Madre Teresa sempre enfatizou o valor e o poder da prece, dizia: “Se orarmos seremos capazes de amar, e se amarmos seremos capazes de servir. Reze tal qual uma criança. Você deve se dirigir a DEUS como uma criança. Uma criança não tem dificuldade de expressar o que pensa em palavras simples, que dizem muito. Se uma criança ainda não foi desvirtuada e ainda não aprendeu a mentir, ela dirá tudo. É necessário apenas, aquela pequena elevação de mente a Deus - Eu te amo, Deus eu confio em ti, eu preciso de ti agora”. Disse também: “Todos deveríamos ajudar um hindu a tornar-se um hindu melhor, um mulçumano a tornar-se um mulçumano melhor, um católico a ser um católico melhor e assim por diante com todas as religiões”.

Ao longo de sua vida Madre Teresa foi agraciada com inúmeras homenagens por sua dedicação à Humanidade, dentre eles o Prêmio Nobel da Paz em 1979, por dedicar 69 anos de sua vida aos pobres e desamparados, quando declarou na ocasião "a pior enfermidade de nossos dias não é a lepra ou a tuberculose, mas a falta de afeto, o abandono". Madre Teresa finalmente encerrou a sua missão aos 87 anos vítima de problemas cardíacos em 05 setembro de 1997, ao lados de pessoas das quais sempre cuidou. ■

Martius de Oliveira.

Nota MM: É uma honra publicar os textos do Martius.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails