((((* "O QUE VEM SEMPRE ESTEVE AQUI, A PAZ ESTA DENTRO DE TI E SO VOCE PODE TOCALA, SER A PAZ SHANTINILAYA, NADA EXTERNO LHE MOSTRARA O QUE TU ES. NADA MORRE POR QUE NADA NASCEU, NADA SE DESLOCA PORQUE NADA PODE SE DESLOCAR VOCE SEMPRE ESTEVE NO CENTRO, NUNCA SE MOVEU , O SILÊNCIO DO MENTAL PERMITE QUE VOCÊ OUÇA TODAS AS RESPOSTAS" *)))): "ESSÊNCIAIS" "COLETÃNEAS " "HIERARQUIA" "PROTOCÓLOS" "VÍDEOS" "SUPER UNIVERSOS" "A ORIGEM" "SÉRIES" .

segunda-feira, 26 de julho de 2010

NOVOS CÓDIGOS - ENERGIA MATRIZ

novos codigos - energia matriz



Nove códigos básicos para o pensamento, sentimento e ação, visando a sintonização com a Energia Matriz.


O que precisamos saber sobre a Energia Matriz

“A Energia Matriz é aquilo que lhe permite viver em absoluta paz e harmonia. É o arquétipo do Universo da Luz. Nada, neste universo, foi criado sem essa energia. É a energia do Pai e da Mãe juntos - a Fonte. Por isso é Matriz. É a peça fundamental que permite que tudo seja criado. Toda a existência deve a sua vida à Energia Matriz. O Arquétipo. A Energia Primordial. O que insufla e anima a criação. É a energia a que todos os seres humanos devem a sua existência, e foram criados para vibrar, porque aquilo que é criado – a obra – espelha o criador. E os humanos, como sabem, foram criados à imagem e semelhança da Fonte – o Pai e a Mãe juntos. Trazem, dentro de si, os seus arquétipos que são a Luz e o Amor, respectivamente. Por isso, a Energia Matriz é a pacificação e a serenidade total. Vibrá-la é regressar a Casa; é o Regresso ao Lar, à Unidade. É estar em paz. …

Se a Energia Matriz está a ser intensificada é porque chegou o tempo de se instaurar na Terra, definitivamente, o Reino da Luz e do Amor.
Outros tipos de matrizes, ainda implantados neste planeta, que não lhe correspondam serão erradicados. Mas só uma coisa permite a sua erradicação: a Entrega Total usando o livre arbítrio.
A Energia Matriz é o padrão que anima a humanidade.
Poder-se-ia dizer a Luz do Pai e o Amor da Mãe ou o Amor do Pai e a Luz da Mãe, pois são faces diferentes da mesma moeda, que se completam e interligam, fundindo-se na unidade.

Cada ser humano é um espelho de essa realidade una.
E o ser que vai descer à Terra – o portador máximo dessa Energia Matriz - vem acompanhado de muitos outros para ajudar a humanidade a fazer a sua escolha, reclamando, para a Fonte, o Reino do Amor e da Luz.
Esse ser, que cumprirá a sua função de sempre, sou eu: Sananda.
Muitos se encontrarão em frente a mim, daqui a uns tempos.
Muito obrigado.”



“Eu sou Gabriel e volto ao vosso contacto para vos dizer algo mais sobre a Energia Matriz: A Energia Matriz é aquilo que o gerador deste universo recebeu da Grande Fonte. Tal como vocês foram criados à imagem e semelhança da Fonte deste universo, também a Fonte foi criada à imagem e semelhança da Grande Fonte. Foi uma espécie de dádiva que cada Fonte recebeu, com a incumbência de gerar universos respeitando uma série de factores, entre os quais estava, evidentemente, já nesse nível, o livre arbítrio. É por isso que nem todas as Fontes deram o mesmo tratamento à Energia Matriz, que receberam da Grande Fonte. Muitas foram as formas luminosas geradas com base nessa matéria-prima. Só uma foi adulterada. No entanto, foi aceite como uma experiência. E ao mais alto nível hierárquico, se quiserem assim, muito foi aprendido com ela. Talvez vocês se considerem cobaias, tendo em conta o que experimentaram em função das manipulações do Senhor da Sombra, para que a Grande Fonte pudesse constatar o que era possível fazer com aquilo que ela mesma é. A vossa consciência terrena poderá ter essa tentação, mas o Grande Decisor, que gere a existência de cada um de vós, consentiu que assim fosse. E mesmo quando o planeta teve que ser evacuado (Atlântida), não foi uma catástrofe. Do ponto de vista da maioria dos que viveram essa experiência decerto foi uma catástrofe, mas quem a viveu com a consciência amplamente desenvolvida, reconheceu que não foi. …
Perguntarão se isso deixou marcas.
A resposta é: sim, deixou marcas profundas em muitos.
Mas é sobre esses, precisamente, que tem incidido a nossa atenção especial, a fim de lhes proporcionar as condições de libertação dessas memórias. No entanto, raramente o conseguimos devido ao peso enorme delas. Aprendemos muito com essa experiência e muito nos incomodaram as vossas atribulações. Mas não dispusemos de grande margem de manobra por termos de respeitar o vosso livre arbítrio.
Nós não podemos proibir; apenas podemos criar mecanismos de controlo ou de neutralização do que é feito. Por isso, aqui estou agora, outra vez, para vos ajudar - na medida em que vocês se deixarem ajudar - na eliminação daquilo a que já deram o nome de “medo da iluminação”. Em muitos casos é disso que se trata.
Não interessa saber quem são esses casos específicos. Interessa dizer que todos devem pôr a possibilidade de ainda guardarem esse medo.
Depois, por uma questão de segurança, decretem a sua eliminação. Como sempre dizemos - porque é verdade - decidam o que decidirem, continuarão a ser respeitados incondicionalmente.”



Primeiro Código - Aspirante à Ascensão

1) Um Aspirante à Ascensão avançado já não gera conflito, discórdia e desequilíbrio. Se o fizer entra em contradição total com a própria definição de Aspirante à Ascensão.
2) Um Aspirante à Ascensão avançado que se preze é o «manso que herdará a Terra».
3) Um Aspirante à Ascensão avançado vai ao encontro da conjuntura desfavorável; não contra ela.
4) Um Aspirante à Ascensão avançado, perante a adversidade, aceita o sucedido, dá-lhe as boas-vindas e só depois trata de resolver a questão.
5) Um Aspirante à Ascensão tem de ser capaz de fazer uma abordagem amorosa; se optar pelo confronto, intensifica o aspecto da controvérsia. Atacando, põe a outra parte em alerta, na defensiva, pronta para contra-atacar.
6) Um Aspirante à Ascensão não participa na Batalha das Razões. Não quer ter razão, porque não precisa de ter razão; limita-se a expressar a sua, baseada na emanação da sua luz interna, sem esperar a aderência e a concordância seja de quem for.
7) Um Aspirante à Ascensão não fica incomodado se os outros o aceitam ou não, pois já sabe que, diga ele o que disser ou faça o que fizer, será aceite por uns e rechaçado por outros.
8) Um Aspirante à Ascensão conhece as regras do jogo e, portanto, não se deixa envolver. E já que sustenta o seu sentimento de segurança e estabilidade num nível alto, não se sente culpado por ver que alguns rejeitam as suas ideias ou se aborrecem com o seu discurso.
9) Um verdadeiro Aspirante à Ascensão há muito deixou de fazer a velha pergunta: «Que mal fiz eu para eles se sentirem incomodados?»
10) Um verdadeiro Aspirante à Ascensão não age em função das reacções alheias. Essa não é, obviamente, uma das suas características.
11) Um verdadeiro Aspirante à Ascensão não luta porque não pretende ganhar. Ele somente quer a paz.



Segundo Código - Entrega Total

Procure responder sinceramente ao seguinte questionário:

1) Até que ponto está disposto a entregar a sua vida ao Espírito… apesar de não saber o que lhe será pedido… apesar de desconhecer que tipos de consequências poderão advir?
2) Até que ponto já não lhe interessa o que possa acontecer na sua vida terrena… apesar de, provavelmente, ainda ter projectos pessoais para o futuro… apesar de ainda querer alcançar alguns objectivos?
3) Até que ponto já não receia as dificuldades financeiras… apesar de, eventualmente, estar habituado a encarar o dia-a-dia numa postura de sobrevivência… apesar de achar muito difícil passar a viver automaticamente no plano da abundância… apesar de não compreender como chegará ao ponto de não se preocupar com o dinheiro?
4) Até que ponto está disposto a abdicar das suas escolhas pessoais para agir segundo o Espírito… apesar de saber que o seu ego vai estrebuchar… apesar de saber que se vai sentir inseguro… apesar de reconhecer que vai continuar a querer que a vida decorra da forma como julga que deve decorrer?
5) Até que ponto já não o incomodam os comentários e pressões dos familiares… apesar de o acusarem de estar a seguir por caminhos suspeitos… apesar de, segundo dizem, estar tomar decisões muito estranhas?
6) Até que ponto está disposto a deixar que a sua vida se reformule por sugestão do Espírito… apesar de desconhecer que direcção as coisas vão tomar… apesar de não saber qual a natureza do novo padrão que lhe vai ser proposto, se tal for necessário?
7) Até que ponto está em condições de abdicar, se for necessário, da sua carreira profissional e da tutela dos seus filhos… apesar de reconhecer que ainda não atingiu o topo da carreira... apesar de sentir que não pode viver sem ter por perto a sua descendência?
8) Até que ponto está disposto a ir para o lugar onde tem de estar, relacionar-se com as pessoas com quem tem de colaborar, fazer o que tem de fazer… apesar de gostar muito do sítio onde mora… apesar de sempre ter receado o contacto com estranhos… apesar de dizer que só sabe fazer aquilo que tem passado a vida a fazer?
9) Até que ponto aceita as necessárias mudanças na sua personalidade para que a Entrega Total seja uma realidade… apesar de dizer que os seus defeitos são muito vincados… apesar de garantir que ainda tem muito carma para pagar?
10) Até que ponto está disposto a cumprir integralmente a «missão» que o trouxe ao planeta, no seu potencial máximo… apesar de saber que isso poderá ser continuar a fazer o que está a fazer, apenas com outro grau de consciência?
11) Até onde está disposto ir… apesar de nada saber, realmente, acerca do que tudo isto implica?



Terceiro Código - Co-criação

1) Co-criação é a capacidade de o co-criador alterar a sua realidade, com a colaboração do Espírito.
As situações e as sincronicidades criadas, que o co-criador nunca experimentaria de outra maneira, são obtidas através da simples declaração, em voz alta, de uma intenção.
2) Co-criar implica ser capaz de aceitar, no coração, o resultado da intenção verbalizada, e não ter medo de beneficiar da resposta recebida – mesmo que a mente racional a deteste ou rejeite.
3) Co-criar é o fim da necessidade de pedir; é a aproximação do co-criador à sua própria Essência declarando vontades com intenção pura. Co-criar é requisitar o que já existe, uma vez que o universo não cria nada, apenas concretiza potenciais, desde sempre existentes.
4) Ao co-criar, o co-criador mobiliza os Amigos interdimensionais, deixando de interpor resistência à suave fluência da vida.
5) A co-criação não tem excepção nem limites. O co-criador pode expressar a intenção de vir a beneficiar seja do que for, físico ou metafísico. Contudo, a natureza das intenções que verbaliza (mais básicas ou mais elevadas) dependerão do seu grau de consciência.
6) O poder da co-criação não deve ser usado para prejudicar outra pessoa ou para prever o futuro.
7) O co-criador deve co-criar pondo firmeza na declaração verbal. Uma co-criação verbalizada com dúvida não gera os resultados pretendidos; verbalizada com insegurança não proporciona a certeza da resposta; verbalizada com intenção pura, dificilmente falhará.
É só uma questão de tempo.
8) Se o co-criador sente que co-cria com insegurança, deve começar por verbalizar a eliminação desse factor condicionante.
9) A função do co-criador não se limita a iniciar o processo verbalizando uma intenção; terá de fazer a tua parte ao longo do processo. A energia é sempre devolvida para que ele dê o passo seguinte. A co-criação co-responsabiliza-o; se não fizer a sua parte, os resultados dificilmente surgirão.
10) O co-criador só pode co-criar para si. Se alguém precisar de ajuda, em vez de co-criar o seu restabelecimento, o co-criador pode ensiná-lo a co-criar ou enviar-lhe energia através de uma visualização.
11) O co-criador deve saber que os pilares básicos da co-criação são:

1) A intenção de escolher o que pretende
2) A determinação que mantém nessa escolha;
3) A verbalização convicta da intenção escolhida;
4) A aceitação da colaboração dos Planos Superiores;
5) A realização da parte que lhe compete;
6) Não ter expectativas quando à natureza e ao prazo de chegada dos resultados.

Existem, porém, algumas situações que poderão contribuir para que uma co-criação não se concretize no prazo desejado:
- O co-criador não está preparado para lidar com os resultados pretendidos. Neste caso, entra num período de preparação, de duração indeterminável.
- O processo está parado porque o co-criador não fez a parte que lhe compete;
- Falta de tempo de serenidade e silêncio para ouvir as respostas;
- O co-criador verbalizou a sua intenção com falta de convicção;
- Há muita ansiedade em relação ao momento da chegada dos resultados;
- A solução que o co-criador gostaria de ver aplicada impede que a solução superior se manifeste;
- O co-criador não decretou a eliminação de todas as resistências à concretização da verbalização efectuada



Quarto Código - Desapego

1) Desapego não significa aderir à pobreza; significa despojamento.
2) Um nomade do Espírito não percorre o Caminho da Luz levando na bagagem os frutos podres dos caminhos anteriores. Sabendo que não os pode levar, decide livrar-se deles. Se não o fizer, o caminho parecerá longíssimo.
3) Um nomade do Espírito jamais poderá deixar de se desapegar da tendência para a gritaria, para que o silêncio possa surgir. Ele desapega-se da revolta para que a aceitação emerja, ao mesmo tempo que se desapega da inveja para que o desprendimento surja à luz.
4) Um nomade do Espírito sabe que o desapego não pode ser orientado apenas para as coisas físicas. Ele sabe que a posse de certas ideias que se transformaram em dogmas e certas emoções que se metamorfosearam em dependências são muito mais difíceis de transcender.
5) Um nomade do Espírito sabe que os três sentimentos mais difíceis de transcender são: o sentimento de perda (por morte, roubo, etc.); o sentimento de dependência (de pessoas, dinheiro, drogas, sexo, poder, etc.); o sentimento de abandono (por pessoas, entidades, etc.).
6) Um nomade do Espírito é aquele que decidiu deixar de usar o gume da espada que mata, para passa a usar o outro, que corta todas as dependências e apegos. Por isso, o único combate que merece a pena vencer é aquele que ocorre dentro da própria consciência.
7) Um nomade do Espírito verdadeiro aprendeu que, muitas vezes, uma coisa ou pessoa não estava presente na sua vida por ser essencial, mas por hábito. Depois, reconheceu que o hábito desencadeou um sentimento de posse. Finalmente, escolheu sair desse torvelinho.
8) Um nomade do Espírito verdadeiro está permanentemente pronto para abdicar – renunciar - de tudo o que conseguiu construir e arrecadar até ao momento, a fim de seguir em frente para outra conjuntura.
9) Um nomade do Espírito verdadeiro há muito se desapegou da ideia de querer saber qual é a sua missão. Sabendo-se livre, não permite ser condicionado seja pelo que for ou por quem for.
10) Um nomade do Espírito verdadeiro assimilou que o primeiro passo do Caminho é a neutralidade em relação às coisas do mundo e que o último é a desidentificação total e absoluta das coisas do mundo.
11) Embora a sensação de perda, no mundo, possa ser dolorosa, é ilusória espiritualmente falando. Por isso, um iluminado sabe que não pode perder, simplesmente porque não possui.



Quinto Código - Canalização

1) As Entidades de Luz não mentem.
2) As Entidades de Luz, por não poderem interferir no livre arbítrio humano, jamais promovem os ensinamentos divulgados desde esta ou de outra dimensão.
3) As Entidades de Luz nunca se apresentam como a fonte exclusiva da informação que transmitem.
4) As Entidades de Luz não fazem exigências evocando “contratos” assumidos antes do nascimento, noutra dimensão.
5) As Entidades de Luz não criticam ou julgam, engrandecem ou diminuem qualquer outra entidade ou ser humano.
6) As Entidades de Luz não transmitem “certezas” acerca do que vai acontecer. Como o processo é comandado pelo livre arbítrio humano é impossível divulgar qualquer desfecho.
7) As Entidades de Luz jamais pedem para alguém abdicar da sua liberdade ou para violar o seu código de integridade política, religiosa, etc.
8) As Entidades de Luz sempre respeitarão as crenças, os sistemas de pensamento e a forma de viver seja de quem for.
9) As Entidades de Luz jamais promovem a divisão, a discriminação ou a proibição seja do que for.
10) Somente a maturidade espiritual - a abertura do coração - poderá dizer se uma canalização tem uma origem luminosa ou sombria.
11) O canal emissor (extradimensional) não deve ser considerado como um deus; o canal receptor (humano) não deve ser considerado um ser bastante desenvolvido espiritualmente, pois tal pode não ocorrer.



Sexto Código - Paciente e Terapeuta Vibracional

Código Básico do Paciente
1) Antes de qualquer consulta, convém que o paciente verbalize, não um desejo de cura mas de mudança.
2) O paciente é o responsável pela doença que o aflige e o único que pode autorizar a sua cura.
3) Não existe cura sem autotransformação.
4) O paciente, em vez de valorizar demasiado os conhecimentos do terapeuta, deve aperceber-se do tipo de vibração que ele emana.
5) O trabalho do terapeuta poderá consistir em preparar o paciente para que, mais tarde, outro terapeuta lhe proporcione as condições para que ele se possa curar.
6) Quando algo causa irritação ou dor, o paciente deve examinar porquê.

Código Básico do Terapeuta
7) Curar não pode ser um modo de ganhar a vida; tem de ser uma entrega. O resto virá por acréscimo.
8) Um terapeuta vibracional é apenas um farol: limita-se a iluminar com a sua Luz; a técnica que utiliza é secundária.
9) Convém que o terapeuta vibracional, antes de iniciar a consulta, pergunte ao paciente se ele se autoriza a ser curado através da requalificação do seu DNA.
10) O terapeuta vibracional tem de estar equilibrado para equilibrar o paciente e possibilitar-lhe a tomada de decisões baseadas na energia que recebeu. Assim, o terapeuta deve cuidar de si mesmo.
11) O encontro entre o terapeuta vibracional e o paciente é sempre um reencontro significativo.



Sétimo Código - Nova Família

1) Os membros da Nova Família sabem quem são e, por isso, não mentem; confiam e, portanto, não controlam, não exigem, nem fazem chantagem. Todos estes hábitos antigos têm de estar superados.
2) Os membros da Nova Família sabem que o seu objectivo os transcende. Por alguma razão, têm de estar juntos para desempenhar uma tarefa e permanecerão juntos enquanto essa tarefa fizer sentido ou estiver incompleta, desconhecendo se vão separar-se quando terminar ou se surgirá outra, depois dessa terminada.
3) Os membros da Nova Família não receiam o futuro nem fazem projecções; limitam-se a viver o dia-a-dia. Já não receiam perder porque deixaram para trás o sentimento de posse.
4) Os membros da Nova Família sentem que a razão por que estão juntos os transcende, e diariamente agradecem por poderem cumprir a sua função e por desfrutarem, amorosamente, o prazer de estarem juntos.
5) Os membros da Nova Família sentem que tudo flui. Sabem que, se for preciso um ajuste ao nível da personalidade, reconhecer-lhe-ão o propósito. Não haverá, portanto, lugar a discussões ou resistência.
6) Os membros da Nova Família sabem que o amor não se esgota, nem pode transformar-se, repentinamente, em ódio e aversão. Ambos sabem que viver em amor incondicional significa ver o outro a manifestar-se da forma que entende por mais correcta.
Numa palavra: praticam a aceitação.
7) Os membros da Nova Família não lutam pelo poder. Na sua relação não há combate pelo controle e pelo domínio, pois já perceberam que não há nada para controlar e dominar.
8) Os membros da Nova Família não estão no planeta ao serviço do seu Eu Superior, mas como seus representantes. São «emissários de», não “estão ao serviço de”. Esta postura reflecte uma sintonia perfeita entre eles e a Fonte. Portanto, enquanto seres interdimensionais, estão a servir-se a si próprios, pois atingiram o estado da mestria.
9) Os membros da Nova Família vivem no plano da mestria. Logo, qualquer circunstância da sua vida não respeita o velho padrão onde predomina o controlo, a exigência, a chantagem e a falta de respeito. Este modelo de comportamento, porém, apesar de já ter sido desactivado, ainda permanece activo em muitos humanos.
10) Os membros da Nova Família não têm qualquer dificuldade na aplicação destes conceitos.
11) Os membros da Nova Família são dois mestres relacionando-se entre si.



Oitavo Código - Sexualidade

1) A sexualidade, tal como tem vindo a ser praticada, vai deixar de existir. Cada membro do par, para experimentar a união total, terá de decidir expressar a energia da Fonte. E, ao decidir assim, entrará num profundo processo de transformação.
2) Dado que a sexualidade é uma forma sagrada de expressão, os corpos devem ser entendidos como a expressão do Espírito. Homens e mulheres vão ter de deixar de funcionar somente através dos genitais, começando por uns simples preliminares mecânicos.
3) A prática sexual deixará de ser «fazer amor» para passar a ser «fusão» – que é a linguagem do Espírito. Sexo é acasalamento. Não é bom nem é mau, apenas tem sido uma necessidade humana.
4) Para experimentarem a fusão cósmica – a prática rica e abrangente da sexualidade -, os amantes devem disponibilizar-se para se transformarem no cadinho onde se renova o processo da Criação.
5) Antes da fusão sexual, os amantes devem fazer silêncio e meditar durante alguns minutos, a fim de convocar a Fonte para o momento e aceitando expressá-la.
6) Os amantes devem esquecer as experiências afectivas já vividas. Assim, devem co-criar a limpeza de todas as suas memórias e condicionamentos relativas ao arquétipo sexual. Tudo o que não corresponder ao grau de vibração da Fonte não poderá continuar a estar presente.
7) Mudar o padrão de relacionamento íntimo implica uma forma distinta de usar a energia sexual. Ambos os amantes devem começar por um exercício de união dos chacras para que as suas vibrações se inter-relacionem harmonicamente.
8) A fusão sexual implica concentração, silêncio e ausência de tabus. Só depois há lugar para a brincadeira e para o diálogo entre os parceiros.
9) O padrão sexual que garantiu a sobrevivência do ser humano até hoje é, agora, o promotor do seu desencanto. A sua recusa de se preparar para expressar a vibração da Fonte – quer na sexualidade, quer em qualquer outra situação -, pode até vir a promover a sua saída do planeta.
10) Não mais uma simples penetração carnal. Em vez dos ardores da paixão, experimentará a intensidade da vibração - algo novo para a maioria. Não se trata de ausência de prazer, mas de um deleite alargado a todas as áreas do corpo.
11) Convém que os amantes se entreguem mutuamente apenas quando tiverem condições, de tempo e apetência, para o fazer. Uma fusão sexual é sempre um ato sagrado, uma doação da energia, a forma possível de viver, na Terra, o poder criativo da Fonte.



Nono Código - Crianças Prateadas

1) As Crianças Prateadas olham tudo desassombradamente. São transparentes e amorosas. Potencialmente, espelham a Energia Matriz, a nova realidade terrena a implementar em todos os seres humanos.
2) As Crianças Prateadas denunciam tudo o que seja injusto, incongruente, falso, mesmo que socialmente aceitável.
3) As Crianças Prateadas rejeitam o que não compreendem.
Frases como «É assim porque tem de ser…», ou «Fazes porque eu é que mando…» deixarão de gerar os habituais resultados.
4) As Crianças Prateadas não pactuam com o que é ilógico, desadequado e moralmente incorrecto. Elas perguntam:
a) Se alguém, em casa ou na escola, é injusto, como pode ensinar a justiça?
b) Se não ama, como quer ser amado?
c) Se não respeita, como quer ser respeitado?
5) As Crianças Prateadas são atentas e estão interessadas em soluções pacificadoras. A sua capacidade de sentir a realidade ultrapassa o que, comumente, se espera de uma criança.
6) As Crianças Prateadas têm um forte sentido de justiça e são absolutamente intransigentes na sua defesa. Funcionando como espelhos para os mais velhos, denunciam os aspectos mais subtis das suas arbitrariedades e incongruências.
7) As Crianças Prateadas têm «bom coração» mas não são «boazinhas». Para elas, a bondade, como expressão da obediência e de boas ações, não tem sentido.
8) As Crianças Prateadas não têm medo, o que representa uma mudança na forma como a Humanidade se relaciona com o mundo.
9) As Crianças Prateadas, embora mais resistentes a certas doenças, são muito vulneráveis ao nível da alimentação e da estabilidade emocional.
10) As Crianças Prateadas têm um forte sentido de humor. A capacidade de brincar com as coisas mais sérias reflecte a sua saudável habilidade de lidar com a irrealidade do mundo dos mais velhos.
11) As Crianças Prateadas limitam-se a pedir aos adultos para aceitarem incondicionalmente a sua forma de expressão amorosa e conciliadora.

____________________________
Enviado por Regina Maria B. dos Santos
Fontes:
http://www.velatropa.com/yasmin/index.php?option=com_content&task=view&id=259&Itemid=51
Colaboração - http://clik.to/stelalecocq
http://fraternidadebranca-luzdanovaera.blogspot.com/2009/02/novos-codigos-energia-matriz.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails